Quinta-Feira, 05 de Outubro de 2017, 17h50
Presidente da AMMP
"Aleivosias, falatórios, excessos de linguagem não atingirão Ministério Público"

Clênia Goreth
MP-MT, com adequação da AMMP

O presidente da Associação Matogrossense do Ministério Público (AMMP), promotor de Justiça Roberto Aparecido Turim, saiu em defesa do Parquet durante a solenidade de posse dos novos procuradores de Justiça de Mato Grosso, nesta quinta-feira (05). “Aleivosias, falatórios, excessos de linguagem não atingirão e não retirarão do Ministério Público a  sua vontade de ser Ministério Público. Acredito no Poder Judiciário desse Estado, honro muito as pessoas que o integram, e convido a todos a enfrentarmos juntos e em benefício da sociedade mato-grossense, da Justiça e da verdade esse momento difícil em que vivemos”, enfatizou turin.
 
Na mesma ocasião, o procurador-geral de Justiça, Mauro Benedito Pouso Curvo, conclamou membros e servidores a continuarem firmes na defesa da sociedade “tendo Deus à frente e a verdade dos fatos como objetivo a ser alcançado”. Numa metáfora à lenda de Procusto, figura da mitologia grega que torturava suas vítimas para encaixá-las com perfeição ao seu leito, tentando impor a todo custo uma matriz pré-estabelecida, Curvo falou sobre o momento vivido pela instituição. “Atualmente, a verdade se encontra refém de Procusto e aprisionada a seu leito. Estão mutilando a verdade para fazer com que ela se encaixe”, afirmou o procurador-geral de Justiça se referindo à citação de seu nome e de Marcelo Ferra na conversa realizada entre o coronel Lesco e o tenente coronel Soares, envolvidos no esquema de interceptações ilegais.

O procurador-geral de Justiça voltou a enfatizar que foi ele quem ofereceu a denúncia contra os envolvidos e pediu a prisão de todos. Destacou, ainda, que foi Marcelo Ferra quem atuou no Pleno do Tribunal de Justiça e, ao final, sustentou pelo recebimento da denúncia.  “Infelizmente, a versão mentirosa dos fatos foi propalada por todas as possibilidades que o mundo moderno permite. Alguns o fizeram simplesmente por desconhecimento dos fatos, outros com o indisfarçável propósito de tentar fazer com que o cidadão de bem deste Estado venha a desacreditar em nossa instituição”, afirmou.

Para Curvo, a tentativa de fragilizar o Ministério Público é uma missão praticamente impossível. “Nossa instituição tem trabalhos efetivos na defesa da sociedade, tanto no combate ao narcotráfico, a corrupção, ao desvio de dinheiro público, na defesa da criança e do adolescente, na defesa da cidadania, nas suas mais variadas áreas de atuação. Então, os fatos aqui não fertilizam o terreno para que a mentira seja transformada em verdade graças ao trabalho de todos os membros e servidores desta instituição”.

Presente à solenidade, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rui Ramos, também defendeu a união das duas instituições. “Uma convivência compartilhada em prol de uma coisa só, em prol da Justiça. É isso que é importante, as coisas que estão aí pelo mundo afora, sendo ditas ou faladas, são absolutamente inverídicas, não são expressões da verdade, mas que infelizmente assim se coloca. O que devemos fazer é continuar com o nosso trabalho, com a união que sempre tivemos”, finalizou.

Fonte: AMMP - Associação Mato-grossense do Ministério Público
Visite o website: http://ammp.com.br/